terça-feira, Novembro 27, 2012

CALENDÁRIO BIODINÂMICO

O calendário Maria Thune, é uma delícia, mesmo que não siga-mos os preceitos da biodinâmica, será de certeza um instrumento muito útil para as diversas actividades do campo.
O meu interesse advém do facto da curiosidade que sempre tive em perceber qual a influência da Lua nos trabalhos da horta, poder perceber o que sentem os agricultores de sempre, os mais velhos, as pessoas do campo, de facto fiquei maravilhado não só pelo modo como a Lua nos influencia assim como toda a influencia  dos diversos planetas e constelações, não dispenso mais este companheiro muito utíl que delicia e facilita os trabalhos na horta.
 
Por hoje fica a dica; a nossa maravilhosa lua além dos RITMOS SINÓDICOS, as quatro fases conhecidas de todos (lua cheia, quarto minguante, lua nova e quarto crescente) tem ainda:
 
RITMOS TRÓPICOS: Lua ascendente e descendente, quinze dias a subir e quinze dias a descer, influencia os movimentos da seiva.
 
NODOS LUNARES: dois momentos no mês lunar em que a órbita da Lua corta a do Sol, não são momentos propicíos para trabalhos nas hortas.
 
APOGEU e PERIGEU: Perigeu mais perto/mais influencia da Lua, com a lua cheia muito bom para a reprodução, é este momento que favoriza o desenvolvimento do míldio com calor e humidade adequadas, favorece aumento na quantidade.  Apogeu mais afastado/menos influencia da lua, melhor qualidade, melhor produção de grãos e sementes, favorável às batatas.
 
RITMO SIDERAL: é a passagem frente às constelações, 3 dias cada uma, (Touro, capricórnio, virgem, caranguejo, escorpião, peixe, gémeos, aquário, balança, carneiro, leão, sagitário).
 
 
 
 

terça-feira, Agosto 07, 2012

Este ano vai haver bastantes Luffas

sexta-feira, Junho 22, 2012

Forest Food


 Não há palavras para exprimir todas as emoções e sentimentos que nos provocam certas imagens, mas mais forte é viver-mos esses instantes em directo, são o retorno de toda a energia e emoções que empenhei a fazer crescer estes girassóis e que as forças formadoras souberam tão bem materializar

 Na minha floresta alimentar tenho alimentos diversificados e saudáveis mas sobretudo o enorme prazer de me encontrar com as divinas forças formadoras da natureza que me deslumbram com um espectáculo quotidiano. Estou cada vez mais surpreendido com a capacidade que tem a natureza para nos alimentar e como é que este planeta se dá tanto trabalho para nos contentar sem pedir nada em troca mas quando nos preocupamos em retribuir, a natureza não olha a meios para nos agradece e logo abunda com dádivas magnificas.


As alcachofras são sempre uma ocasião para dispor de alimentos saudavéis e benéficos para a saúde, mas também de uma componente de beleza e um modo de melhorar a biodiversidade da minha floresta alimentar. Inspirada na permacultura a minha horta está atingir um nivél de resiliencia bastante satisfactório, sempre gostei de cultivar mas na realidade a natureza não precisa de mim, ela usa-me nesta necessidade profunda que eu tenho de cultivar.


Sinto que as forças formadoras estão bem presentes, e sinto que não estou dissociado dessas forças, que estou mesmo muito envolvido e comprometido com os elementos, além do facto de estar a cultivar a terra que foi dos meus antepassados. As luffas (planta do esfregão) estão em pleno desenvolvimento tenho a certeza que vão proporcionar mais momentos de grande emoção.


É sempre bom termos visitas e companhia na horta, desde que deixei de dar produtos químicos e a fazer uma adubação natural tenho verificado um crescimento da quantidade de insectos diversos muitos dos quais conhecia unicamente dos livros. É uma companhia que se tem mostrado benéfica, muito cordial e bem comportada não me estragaram nada e não me atacaram andam todos na linha e até partilham comida comigo.

Freixo do Meio

Mais um dia no Freixo do meio. Andei a tratar destas meninas, são cabras serpentinas. Fomos busca-las ao campo para separar os bodes do rebanho, foi um momento emocionante estar em contacto com estes animais muito especiais. As cabras são muito reactivas e enérgicas, mas ao mesmo tempo sempre vi nelas um lado dócil e uma resiliencia que faz com que sejam um elemento de suporte fundamental na exploração familiar. 


O Bobi é sempre chamado nestas ocasiões para dar a sua ajuda indispensável, comprovando que quando nos entendemos bem não são necessárias muitas palavras trabalhar em equipa parece que o Bobi tinha vindo ao breefing matinal e estava ao corrente do trabalho que tinha que executar.


O Almoço das quintas feiras é sempre um momento de emoção, encontro o Carlos e a Catarina, e tenho sempre o prazer de almoçar com aqueles com quem colaboro durante um dia de trabalho.
Não sei bem explicar mas há qualquer coisa de especial naquela herdade, é um lugar onde está a ser antecipado o futuro, o Amor pelo próximo e pelo trabalho, o respeito pela natureza, pela biodeversidade, não impedem e até ajudam à sustentabilidade.

quinta-feira, Abril 12, 2012

Mais um dia de trabalho no Freixo do Meio

 Mais um dia muito bem passado na Herdade do Freixo do Meio, tratei dos animais logo pela manhã, depois reunimos esforços em torno da construção de um dome, foi um bom momento para trabalhar em equipa.
 Durante a tarde fiz mais descobertas, cada vez que vou ao Freixo do Meio fico maravilhado, mudá-mos os rebanhos de pastos, levamos para uma nova cerca quatro lindas marrãns que vão ter bebés brevemente, cruzei com o bando de perus que assumo, são impressionantes e muito bonitos. Com o Senhor Binónio, que muito se orgulha de ser com o seu tio os únicos conhecido com um nome tão invulgar, fomos reparar a cerca que vai servir para o concurso de cães pastores no próximo 25 de Abril. 
E claro acabei por encontrar um velho amigo que fico sempre contente de rever.

terça-feira, Março 20, 2012

Uma amiguinha na horta

Apanhei hoje esta linda toupeira, foi um grande momento, fiquei maravilhado pela sua beleza, era macia e doce. Não foi agressiva comigo, queria era abalar. Quem sou eu para matar este animal que a maior parte dos humanos nunca verá ao vivo. Na verdade foi a primeira vez que tive uma viva na mão, senti-me comovido e tomei logo a decisão de a libertar mesmo não sabendo exactamente o efeito que vai causar na minha horta, sempre tive uma boa produção e sempre houve toupeiras.
Senti tristeza em vê-la partir, gostaria de ter ficado um pouco mais com ela, que me tivesse feito um pouco de companhia, pois eu sou o seu agricultor e teria merecido um pouco do seu tempo.
A toupeira parecia apressada, talvez ela tenha uma vida de família, hoje vai chegar um pouco atrasada. Gostaria que tivéssemos passado mais um pouco juntos, talvez fosse pedir muito no entanto tomo consciência que passamos muito tempo juntos eu em cima a cuidar da horta e a toupeirinha escavando na terra e de uma maneira discreta a fazer-me companhia.
A partir de agora sei que tenho sempre um "olhinho" a espreitar enquanto ando na horta familiar.
  

Camas altas

As camas altas, são um bom modo de cultivo, aumentam a área cultivável, não necessitam tanta cava, são mais férteis e muito mais bonitas. Cultivo  de outras maneiras mas adoptei as camas altas para cultivar alguns dos legumes, frutos e hortaliças este ano na expectativa de melhorar o meu rendimento e encontrar novos prazeres na horta.
Nesta cama está a rebentar de novo este ano o ruibarbo e os morangueiros garriguette que a minha tia trouxe o ano passado e que já deram bons doces.